sexta-feira, 13 de agosto de 2010

MEUS HOMENS, MEUS AMORES

“Tentativa para criar um estrelismo cinematográfico com a cantora Rosemary. Debalde. E reforçando com mais um papel forte para Silvia Salgado, a falada “Pombinha” de “O Cortiço”. Aqui Rosemary, como “Carrie, a Estranha” foi reprimida por uma mãe moralista e fanática religiosa (Bárbara Fazio, que aliás não tem tipo nem idade para parecer mãe de Rosemary). Silvia, ao contrário, pode viver uma vida livre do eufemismo “moça de nosso tempo”. Rosemary transfere suas neuroses para a pintura e cai presa fácil de John Herbert. Silvia depois de tudo consegue um marido “machista”, mais velho do que ela (Roberto Maia). Ambas, que moram no mesmo prédio de apartamentos, têm seus caminhos cruzados mas não se conhecem, acabam tomando uma mesma drástica decisão: eliminam os porcos chauvinistas de suas vidas ansiosas por uma “plena libertação, uma total auto-realização”. Em tempo: de José Miziara era o mais normal episódio daquele malogro que foi a estreia de Silvio Santos como produtor – “Ninguém Segura essas Mulheres”. E a mão de Carlão Reichenbach como iluminador e câmera sempre constitui dado positivo.”


Publicado originalmente no "O Estado de S. Paulo" de 25/02/79.


7 comentários:

pseudo-autor disse...

É daqueles filmes trash nacionais que nos últimos anos tem virado cult nas mãos da nova geração. E a Rosemary quando mais nova era sensacional!

Cultura na web:
http://culturaexmachina.blogspot.com

Sergio Andrade disse...

Esse eu ainda não vi. Mas a Rosemary jovem era sensacional mesmo!

Adilson Marcelino disse...

Maravilha, amigo.
Li todos.
Curiosamente, revi Meus Homens... para a Zingu!
E Rosemary continua sendo uma mulher bonita.
Abração

Sergio disse...

Valeu, Adilson!

Onde você viu esse filme? Canal Brasil?
Pois é, a Rosemary ainda bate um bolão hehehe!

Abs

Adilson Marcelino disse...

Em VHS, meu amigo.
Abs

O FALCÃO MALTÊS disse...

Parceiro, belo trabalho! Bravo!
Como parceiro do cinema, convido-o a navegar no blog O Falcão Maltês. Com ele, procuro o deleite cinematográfico.
Abraços,
Antonio Nahud Júnior

www.ofalcaomaltes.blogspot.com

Anônimo disse...

comprei o filme em vhs e transformei em dvd. O roteiro nem é lá essas coisas, vale mais pela atuação e beleza da cantora Rosemary.